Foto Divulgação
Foto Divulgação

"Quem me dera ao menos uma vez/

Explicar o que ninguém consegue
entender/ Que o que aconteceu ainda
está por vir/ E o futuro não é mais
como era antigamente// Provar que
quem tem mais do que precisa ter/
Quase sempre se convence que não
tem o bastante/ Fala demais por não
ter nada a dizer// Mas nos deram
espelhos/ E vimos um mundo doente”
(Índios, Legião Urbana).

Talvez parte da culpa seja do mertiolate que não arde. Antigamente, quando chegávamos em casa lanhadas, a mãe passava o remédio com aquela pazinha nada higiênica na ferida e ainda nos mandava engolir o choro.

Víamos estrelas, mas aguentávamos firmes! Algumas brincadeiras eram limitadas pelo medo de enfrentar o líquido do capeta mais tarde. E hoje o mertiolate não arde!

Mas é mais provável que a fração maior de responsabilidade seja dos pais, mesmo. E de algumas escolas. Hoje há uma geração mimimi que não pode ser contrariada, que não sabe perder e não consegue discutir uma ideia sem ficar emburrada ou atacar pessoalmente o interlocutor.

Os pais fazendo todas as vontades como compensação de sua ausência (real ou virtual) criaram uma horda de folgados.

Especialistas discordantes que me perdoem, mas escolas dando medalhas de vitória para todas as crianças participantes de provas, esportivas ou não, criaram um bando de preguiçosos e de jovens que acreditam que podem ganhar qualquer coisa com o mínimo de esforço. Ou sem esforço nenhum.

Aliada a essa condição mimimimertiolate-que-não-arde veio o fator 140 caracteres. Esse número se refere ao tamanho do texto possível em cada postagem do Twitter. Eu gosto do Twitter; é uma democrática forma de se expressar e acompanhar o que passa pelo mundo.

O problema é que alguns jovens passaram a acreditar que 140 caracteres podem lhes dar uma noção completa de um fato ou de uma história. Não dá!

Os jovens (e, pior, muitos adultos também) tiram conclusões complexas (embora rasas) com base no que recebem pelo WhatsApp ou pelo que leem no primeiro parágrafo de qualquer matéria da internet (por pura preguiça de clicar no “continue lendo” para ver o que realmente o texto conclui). Ler livros inteiros, então...

Essa mistura mimimi + 140 caracteres está criando uma geração apática no que se refere ao  conhecimento e monstruosa no comportamento social, que trava verdadeiras guerras por discussões comezinhas, e sem o mínimo de fundamento.

É a era do “achismo” e do “a sua opinião não vale simplesmente porque não é a minha”. A internet foi uma das maiores invenções da humanidade. Permite-nos alcançar praticamente todo tipo de informação em alguns toques.

Infelizmente não estamos conseguindo demonstrar esta importância para nossos jovens e crianças.

Quem dera provar ao menos uma vez que quem fala demais não tem nada a dizer...